sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Histórias da mesa ao lado: A Escolha.

A já famosa mesa ao lado é uma fonte permanente de histórias, engraçadas, escabrosas,  boas ou nem tanto. Outro dia ouvi uma senhora irrequieta contar um causo  perturbador para dizer o mínimo. A história envolveria um bom gaúcho que se enamorou de outra rapariga e passou a frequentar a casa da moça, apesar das admoestações da patroa.

- Emerenciano, jura pra mim que tu nunca vai ter outra mulher, jura pra mim Emerenciano!!!, implorava a pia senhora, que frequentava a igreja diariamente com preces em prol da fidelidade do marido.

O Emerenciano até jurava, mas estava incomodado com aquela situação.  Gostava da esposa, mas era a rapariga que o levava ao paraíso, se me entendem,  sem necessidade de frequentar os templos e rogar aos céus.

Um dia Emerenciano decidiu contar tudo para a esposa. Começou “costeando o alambrado”, como recordaria depois numa roda masculina no bolicho.

- Sabe minha véia, homi tem certas necessidades...precisa de umas cosa deferente na cama...

E revelou seu caso extraconjugal, sem entrar em maiores detalhes, especialmente quanto aos diferenciais da moça, mas firme na sua posição. Pra que?!  A patroa teve um faniquito e não parava mais de chorar. Em meio ao vale de lágrimas,  brandia:

- Mas tu prometeu, Emerenciano. Tu até jurou, Emerenciano.

E o Emerenciano firme, mas de saco cheio com aquela choradeira. Até que apelou para uma saída radical.
- Vem cá, minha véia.  Tu prefere que eu te traia com uma mulher ou vire um fresco como aqueles da Redenção  e  dê de bundear?

Confrontada com as duas alternativas, a senhora estancou o choro e as lamúrias.

- Pensando bem, acho que tu tem razão, Emerenciano. Fica, então, com a mocinha...mas não deixa os meus parentes e as minhas amigas da paróquia saberem.

E com esse arranjo viveram felizes para sempre.