sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Reflexões natalinas

Há uma certa melancolia, quase deprê, neste período de festas. Talvez seja pela obrigatoriedade de mostrar felicidade, enquanto a realidade é desanimadora. Culpa também das revisões que o fim de uma etapa impõe e a conclusão de que muito foi sonhado e pouco concretizado e isso vale tanto para a vida pessoal como para o lado profissional.  Se pelo menos os presentes compensassem as frustrações, mas nem isso tem ajudado.

Foi-se o tempo das cestas de Natal repletas de produtos importados, ou das bebidas finas ou, ainda, dos eletrônicos de última geração oferecidos como mimos por clientes e fornecedores. No Jornalismo tal prática é conhecida como “toco”. Escapa ao meu conhecimento a origem da expressão. Talvez represente coisa pequena e o uso  parece ser exclusivo dos jornalistas gaúchos.

Hoje o recebimento dos regalos é visto com restrições ou tratado como folclore, mesmo porque a operação Lava Jato desnudou o toma lá, da cá em nível bilionário.  E, assim, ofertantes e recebedores foram para a retranca, com os toqueiros bagrinhos, aqueles que recebem um misero espumante moscatel ou um panettone, pagando pelos peixes grandes, pós graduados em mamarem nos recursos públicos.

Não estou aqui para lamentar por nenhum deles. Na verdade, quero deixar meu protesto veemente, em nome de todos os capricornianos que fazem aniversário no Natal ou nos dias próximos. Não são poucos, garanto, mas a maioria alega que é discriminada quanto aos presentes, recebendo um que vale por dois devido a coincidência de datas. Por muito tempo fui vitima dessa sovinice, eis que nasci em 6 de janeiro, dia de Reis (mera coincidência), embora  a data seja referencia a chegada dos reis Magos, Melchior, Baltasar e Gaspar à gruta de Belém para presentear o Menino Jesus com ouro, incenso e mirra. No  Uruguai a troca de presentes ocorre nesse dia. Mesmo assim, apesar  de  todo esse respaldo bíblico e de tradição, muitas vezes eu ficava sem o  presente de aniversário.

Nem por isso precisei apelar para o divã dos analistas a fim de curar minha frustração por não ser presenteado  e olha que   nem precisava ser ouro, mirra e incenso, bastava um carrinho, uma bola, um joguinho qualquer.


Não vão faltar línguas maldosas para dizer que estou aqui apelando para o coitadismo e  insinuando  a necessidade de ser presenteado no aniversário próximo -  com vinhos importados, espumantes de boa cepa, cervejas  artesanais, camisas azuis de grife, utensílios para churrascos. Não, gente,  não precisa se incomodar. 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Autofagia colorada

Se algo de bom aconteceu ao Inter neste ano foi ter jogado fora de casa a última e decisiva partida que confirmou o descenso. Imaginem se o jogo fosse no Beira-Rio: não haveria grade que segurasse a torcida e os gomos do estádio correriam sérios riscos.  Se bem que o time, diante da sua massa torcedora, não seria passivo nem conformista como o que enfrentou o Fluminense. Se...

Nada pode ser pior para um clube da grandeza do Inter do que frequentar a Série B e seus adversários aguerridos e campos que deixam a desejar, Brasil afora. Mas nada pode ser melhor para a coesão de uma grande torcida do que o desafio de empurrar o time para voltar ao convívio dos maiorais.  E vamos combinar que o rebaixamento não é o fim do mundo, ainda mais se cotejarmos com outros acontecimentos trágicos deste 2016 e com toda a agitação do cenário político brasileiro durante o ano.

O que fica do episódio, além da inevitável busca dos culpados pela derrocada –  temos obsessão por apontar culpados, como se isso resolvesse -   é que alguns dos principais personagens do drama vivido pelos colorados ficarão marcados para todo o sempre, assim como o foram Rafael Bandeira dos Santos e Flávio Obino nas quedas gremistas.

Como a confirmar a máxima do velho Marx de que a história só se repete em forma de tragédia e farsa, nem Celso Roth, nem Fernando Carvalho conseguiram honrar seus currículos na hora do cai-não-cai. O resultado  esteve mais para  tragédia do que farsa.  Pior ficou a situação de Fernando Carvalho, o mais vitorioso dirigente colorado de todos os tempos, que acabou sendo uma nova vítima de uma certa autofagia que tem contaminado o Inter e que consome a reputação de personagens colorados icônicos.  Ocorreu com Dunga e Falcão, antes e recentemente, e com Fernandão, este felizmente já resgatado e agora imortalizado no pátio do Beira-Rio.

Nesta hora vale para o Inter e para todos os que amargam reveses no esporte e na vida, uma crônica memorável do mestre Drumond, “Perder, Ganhar, Viver”, a propósito da inesperada eliminação do Brasil para a Itália, na Copa de 82: “(...) chego à conclusão de que a derrota, para a qual nunca estamos preparados, de tanto não a desejarmos nem a admitirmos previamente, é afinal instrumento de renovação da vida.(...) Se uma sucessão de derrotas é arrasadora, também a sucessão constante de vitórias traz consigo o germe de apodrecimento das vontades, a languidez dos estados pós-voluptuosos, que inutiliza o indivíduo e a comunidade atuantes. Perder implica remoção de detritos: começar de novo.”


Fica essa modesta, porém sincera, colaboração de um gremista que já penou duas vezes pela Segundona.