segunda-feira, 18 de março de 2019

O tempo do cronista


* Publicada nesta data em Coletiva.net

A grande angustia do cronista  não é a falta  de assuntos ou inspiração.  Assuntos é que não faltam nestes tempos de ampla comunicação,  ainda mais no Brasil da era bolsonariana. O assunto puxa a inspiração e o cronista sazonal está salvo. Ledo engano! O que atormenta mesmo o escriba do cotidiano é o tempo. Explico: o tempo de permanência como interesse do assunto focado.

A ideia para esta crônica – que, espero, tenha durabilidade -  surgiu justamente numa conversa no calçadão de Ipanema com o consagrado cronista Nilson Souza, eventual companheiro de caminhadas, quando ele expressou enorme preocupação com sua crônica semanal  para a ZH. O texto já estava pronto, mas só seria publicado dois dias depois, uma eternidade de tempo para um cronista sensível e atento às ofertas de assuntos que clamam por uma crônica.  Perfeccionista como poucos, ele se consome em angustia até o dia da publicação, sem se dar conta de que no final das contas o texto é  irretocável e causador de santa inveja dos escribas menos apetrechados  de talento, entre os quais me incluo.

Essa angustia está presente também, certamente em grau superior, nas editorias do jornalismo impresso que precisam adiantar material. Vale conferir o relato do editor-chefe  de ZH, Carlos  Etchichury, em recente Carta do Editor, dando conta  do desafio que representa escolher a manchete e a foto de capa  da edição do fim de semana, diante da grande oferta de noticias e reportagens de  fôlego. E exemplificou com os preparativos  para a edição de 9 e 10 de fevereiro, que começaram, como sempre,  no meio da semana para serem finalizados na sexta-feira. Estava  tudo bem encaminhado quando ocorreu a  tragédia no Ninho do Urubu, que vitimou 10 jovens promessas do Flamengo e obrigou a mudança rápida de planos para redesenhar a edição.  Etchichuty conclui que é preciso  muita ação para derrubar tudo o que estava planejado, se as noticias que não tem  hora para acontecer, se impuserem. É bem isso e  por certo vai acontecer  mais vezes neste 2019 de muitas tragédias.

Claro  que a atualização do noticiário se impõe  mais do que a eventual  revisão de uma crônica de temas ligeiros. Entretanto, de quem  escreve compromissado com espaço fixo de opinião, como aqui no Coletiva.net ou  na mídia tradicional, exige-se disciplina e método, além da atenção permanente do que ocorre fora da bolha em que vivemos, o que já se configura como exercícios de disciplina e método. No meu caso, a crônica normalmente está pronta na sexta-feira mas, como bom capricorniano, fico lapidando até  domingo pela manhã, quando faço a última revisão  e  envio para  a Márcia e a Gabriela, ainda  sestroso com o que possa acontecer até a  publicação, quase como um Nilson Souza. Quando me aperto, revisito velhos  temas e, sem constrangimento, lanço mão de crônicas ou abordagens já publicadas no blog  viadutras.blogspot.com. Não tem erro, porque a outra opção seria escrever abobrinhas.  O que não dá  é para ficar esperando a inspiração chegar.

A propósito , a melhor abordagem que  li sobre  essa questão foi no  artigo Os cinco maiores mitos  que impedem você de escrever, de  Juliana Moro, que  é engenheira mecânica, mas dá uma verdadeira aula para cronistas efetivos ou bissextos.  O quarto mito é o que trata da “perfeição  infinita”, que reproduzo em parte:  A introdução não está interessante, o título não chama atenção, o artigo está muito longo, a imagem não combina, o storytelling está artificial, a gramática não colabora e por aí vai. Para os que se apegam aos mínimos detalhes, parece que sempre falta alguma coisa e o texto nunca é publicável. (...) Ninguém nasceu sabendo escrever e mesmo os grandes autores concordam que o seu último trabalho está bem melhor que o primeiro. Então não tenha medo de errar. A escrita é isso, dar uma chance, começar, desenvolver e colocar um ponto final. Não ficou bom? Apaga, reescreve e tenta de novo. Ser perfeccionista não ajuda em nada neste processo.”

Acho que vou assinar embaixo e pedir condescendência com os cronistas em geral quando um texto parecer defasado, mesmo que se reporte a um acontecimento de 24 ou 48 horas atrás.

terça-feira, 12 de março de 2019

Tite, Mourão e Bolsonaro


* Publicado em 11/03/19 em Coletiva.net

Algumas das principais figuras publicas do país estão penando não pelo que  fazem ou deixam de fazer, mas pelo  que falam. Não me  refiro apenas à turma do Bolsonaro que, a cada dia, nos brinda com alguma pérola em termos de declaração, mas incluo no time dos mal falantes e  mal falados, o técnico da seleção.

Com seu estilo professoral e muita inspiração na neurolinguística,  Tite sempre tem uma novidade  nas coletivas, como na última convocação ao elogiar o “torque” de determinado atacante. Conheço bem o pessoal da mídia esportiva e já vou avisando que, de inicio,  ele reverbera positivamente  as novidades linguísticas, mas em seguida perde o entusiasmo com essas explicações que  fogem aos jargões do futebolês.  E o técnico  passa a ser contestado,  mesmo que seu trabalho tenha sido superior,  até  agora, em relação  aos  seus  antecessores recentes. Claro que tudo muda  em caso  de vitória  na Copa  América. Aí o Tite vai se puxar nas coletivas.

No futebol, como na política, somos movidos por resultados. De preferência, positivos a nosso favor. Mas resultados ruins e declarações no mesmo nível não    o que salve.

De outra parte, surge uma surpresa no cenário de entrevistados importantes.

Outro dia assisti à participação do vice-presidente Hamilton Mourão na Globo News e fiquei positivamente impactado com a forma e os conteúdos do general, que tem provocado encantos até mesmo em hostes esquerdistas. Mourão  fala claro, com uma lógica aprendida  na caserna e, assim, as  respostas tem começo, meio e fim  e  atendem aos questionamentos.  É bem verdade que a bancada de entrevistadores não  era das  mais  hostis, mas o bom general, com alguns momentos de humor castrense, não deixou nada sem explicação, sempre sob o seu ponto de vista, as vezes com direito a réplica e tréplica. Passou a ser o novo queridinho da mídia, uma vez que  Bolsonaro  tem  conhecidas dificuldades para enfrentar entrevistadores em geral.  

Mais tarde, soube que o que contribuiu para a mudança de postura do vice, do  general gênero linha dura, sem papas na língua, para o papel de bem articulado e contido porta voz governamental, foi um processo que está ao alcance de qualquer liderança: um media training. Sim, um treinamento para aperfeiçoar a capacidade de se relacionar  com jornalistas.

Mourão se deu conta de que comunicação, sobretudo no âmbito do governo,  requer profissionalismo e, vestindo as sandálias da humildade,  nas últimas três semanas de 2018 frequentou o serviço de Comunicação do Exército. Lá  submeteu-se à rigorosas sabatinas em sessões com duração de 30 minutos, nas quais  nenhum tema era tabu.

Não se tem informação se Bolsonaro participou ou mesmo cogitou de um processo semelhante. Precisaria, e de forma urgente, pois do jeito como se  comunica em seguida estará empatando e talvez superando a ex-presidenta Dilma em termos de bobagens.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Rescaldos da batalha do WhatsApp


*Publicado em 25/02/2019 no Coletiva.net

Crise séria ou outra trapalhada do governo Bolsonaro? O mais importante do episódio   que resultou na queda do primeiro ministro (não confundir com primeiro-ministro) do novo  governo é o que se pode  depreender dele. Aqui, alguns apontamentos ligeiros:
 - Bolsonaro tem preferencia por  se enredar no WhatsApp.
-  E, afinal,  mensagem é  conversa?
-  Agora é oficial: Globo  e Bolsonaro estão em guerra.
-  A vantagem da Globo é que a guerra tem prazo para terminar:1922.
-  Já tem gente apostando que pode ser até antes.
-  A Folha prestou um serviço a Bolsonaro ao ajudar a defenestrar um ministro que estava incomodando.
-  Idem, a Veja.
- Alguém duvida que foi o Bebianno quem vazou os áudios? 
- Merece o título Vazador Geral da República, que pertencia a Sergio Moro na Lava Jato.
- A diferença entre o  Bebianno e o ministro do Turismo, também envolvido em laranjal, é a trairagem.
- O general Mourão parece estar se divertindo com tudo isso.
- Anotem: o vice vai começar a aparecer  com mais frequência nos telejornais da Globo.
- A esquerda apoiando a Globo, que momento!
- O pior efeito das trapalhadas governamentais é que os  apoios parlamentares  passam a custar mais caro.
- O general porta-voz é muito educado, mas a verdadeira especialidade dele é escapar de perguntas incômodas.
-  Descobriu-se que o PSL pagava mulheres com o fundo partidário, mas não é o  que vocês  estão pensando.
- O vazamento revelou que Bolsonaro é bom de mijada nos auxiliares.
- Os filhos do Lula foram mais espertos que os do capitão: só enriqueceram, sem se meter com apolítica
- No pomar governamental sai a goiabeira da Damares e entra o laranjal do Benianno, mas é tudo abacaxi para  o presidente.
A verdade é que de tédio não se morre na República de Bolsonaro, mas logo o episódio  fica sobrepujado por outro imbróglio provocado pelo próprio governo ou por uma “ameaça” externa. A Venezuela...


terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

"É a Comunicação, seu idiota"


* Publicado nesta data em Coletiva.net

Domingos atrás, no Manhattan Connection,o ex-presidente  Fernando Henrique  Cardoso foi absolutamente didático ao explicar o que o  governo Bolsonaro deveria  fazer para conseguir a aprovação das reformas, especialmente a da Previdência: Comunicação! Comunicação para ganhar o apoio da sociedade antes dos votos  do legislativo, ensinou. E, num raro momento de humildade em se tratando de FHC, revelou que, como pouco  entendia de Economia, seu principal papel como ministro da  Fazenda, quando da  implantação do Plano Real, foi fazer a comunicação das mudanças. Bingo!

Jair Bolsonaro precisaria se inspirar na lição de FHC se quiser levar adiante seu projeto de reformas e os avanços prometidos. Entretanto, o que diferenciou o candidato Bolsonaro dos outros concorrentes na eleição – uma comunicação pontual, curta e direta, que se mostrou extremamente eficaz-  parece faltar ao presidente Bolsonaro. E o que se observa  agora é um bate-cabeça preocupante, denúncias pipocando aqui e ali, idas e vindas, a Damares, o Queiroz, o Bebianno,a intromissão dos  filhos, um excesso de porta-vozes além do general (mais um!) Otávio do Rêgo Barros  e nenhuma politica de Comunicação, a não ser  que acabar com a Bonificação por  Volume,  o BV da Publicidade, e fustigar a Rede Globo sejam os focos dessa a política.

Diferente da  campanha eleitoral, não dá para fazer comunicação governamental só na base das redes sociais, como um Trump tupiniquim. Isso até  pode  funcionar como aviso de pauta e ter reverberação,  mas  o processo vai precisar  da mídia tradicional, dialogar com seus profissionais,  para chegar à sociedade como um todo e assim buscar cotas de boa vontade  e adesões.

Além disso, o próprio presidente deve evitar a  repetição de um erro básico quando energiza  uma fragilizada oposição, respondendo pessoalmente, ou por seus seguidores próximos, às provocações petistas.É tudo que a Gleise e sua turma querem para fomentar um terceiro turno. Sem contar que a  cada  dia amplia  o leque de adversários, disparando contra pesos pesados como a CNBB e o presidente da OAB. Mais desgastes, menos apoios de segmentos importantes.

Governar é  cumprir uma maratona e Bolsonaro ainda nem correu os 100 metros rasos. Ou seja, dá  para  recuperar o tempo perdido, mas  esse processo deve começar logo, antes que o capital de confiança e  esperança conquistado nas urnas, com mais de 57 milhões de votos, se dilua a cada episódio polêmico.
Parafraseando um mote da  campanha de Bill Clinton em 1992 contra Bush pai (“É  a economia, seu idiota!”) e nada a  ver com recente e desastrada manifestação do Faustão (“o idiota que está lá”), vale transformar em mantra bolsonariano o recado: “É a Comunicação, seu idiota!”.



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Quase convites a um semi-aposentado


*Publicado nesta data em Coletiva.net

Cheguei  a uma fase na vida em que praticamente todos  os  dias recebo intimações  do tipo “precisamos almoçar qualquer hora dessas”,  ou então “temos que tomar um café”, interpelações próprias  a que fica  submetido um semi-aposentado como eu. Os quase convites partem de ex-companheiros  na mesma condição e necessitados de companhia, passa pelos que tem projetos para mostrar e buscam opiniões favoráveis ou uma forcinha junto a alguma instância e chegam até daqueles que  me tiram para guru e estes existem mesmo, não é balaca minha. Todos  merecem minha maior consideração e uma resposta padrão:

- Me convoca. Marca o dia, a hora e o lugar que me apresento.

E fico aguardando ansioso para  que a convocação se confirme, o que dificilmente acontece, diferente das minhas prazerosas confrarias, que ocorrem com a regularidade de um relógio suíço.

É diferente também lá fora e lembro o ocorrido com um companheiro das antigas, momentaneamente exiliado nos Estados  Unidos, que  convidou um novo amigo americano para um “aparece lá em casa”. No dia seguinte, o amigo se apresentou acompanhado da mulher, para pasmo do dono da casa que precisou providenciar comes e  bebes  às pressas.  A lição que o brasileiro aprendeu é que nos  países tidos  como civilizados a cordialidade é pra valer.

Aqui ainda estamos  naquela do brasileiro cordial da boca pra fora. Ele  se manifesta  em todo o seu potencial nas despedidas dos encontros fortuitos. O quase convite reforça os laços de amizade,  é demonstração de intimidade e de reconhecimento entre os  convivas, mesmo que o ágape não se realize.

A classe politica sabe disso e usa e abusa dos cafés da manhã, almoços e jantares quando busca apoio para determinadas questões mais sensíveis ou polêmicas.  Os  conquistadores amorosos também investem nos prazeres da mesa que propiciam as suas parceiras para chegarem aos  prazeres da cama.  Aí já é pragmatismo explicito.

A verdade é que os convites que eu gostaria de receber, sem desfazer das convocações sinceras e que se consumam, são para aquele emprego maravilhoso, ganhando bem e com poucas responsabilidades; ou de um editor generoso disposto a bancar os livros que sazonalmente tento emplacar ou, melhor ainda, daquela caldável que se insinuou mas não dá mais sinal de vida.  Mas  também nestes  casos a efetividade deixa a desejar. Assim, só me resta apelar:  toca, telefone, toca.


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Hora da saudade


* Publicada nesta data no Coletiva,net.

Semana passada neste nobre espaço proporcionado pela  Coletiva.net indaguei de que forma determinadas ações viralizavam nas  redes. Usei como exemplo a #10yearchallenge.   A questão permanece sendo um mistério para mim.

Sucede,  porém, que num momento de ociosidade, que, como se sabe, é a mãe  de todas as bobagens, fiz uma provocação no Facebook, apelando para o saudosismo: “Sou do tempo...em  que protetor  solar era conhecido por  bronzeador!”.

Gente, a resposta foi imediata e gerou uma avalanche de  comentários, acrescentando outras lembranças, todas elas  positivas para quem postava, acredito eu. Dei repique com mais  postagens de minhas recordações,  na mesma linha (“Sou do tempo  em que tela grande era Cinemascope”, “... que churrasco era temperado com salmoura”, “...que Biotônico Fontoura era distribuído nos  colégios, junto  com o Almanaque”),  e aí virou uma brincadeira saudável  e de saudades. 

Como minha índole provocativa é  mais  forte que minha veia harmoniosa, fiz duas provocações que renderam. Numa delas insinuei que “era do tempo em que o Fernando Albrecht era estagiário” e o consagrado colunista da  página 3 do Jornal do Comércio aderiu à brincadeira, que rendeu 38  comentários e  95 likes. O José Luis Previdi, intriguento como ele só,  colocou lenha  na fogueira, perguntando “quem era o coroinha do Padre Chagas”, se o Albrecht  ou eu? Os bandalhos da rede adoraram.

Aí resolvi apelar e postei que “era do tempo em que a Globo apoiava os presidentes da República”, que mexeu com o  pessoal apreciador e incentivador de  polêmicas na rede. Falar  mal da Globo sempre dá Ibope, à direita, à esquerda e ao centro.

Mas o que gerou mais participações foi a postagem “sou do tempo das balas  Embaré  e do drops Dulcora”. O pessoal se puxou e trouxe para o presente  suas doces lembranças, da bala Azedinha à gasosa, da quebra-queixo às balas do Brocoió, do Torrão Gaúcho, o bastão de leite e o pirulito chupeta às balas  Mocinho e o chiclete Ploc.  Não faltaram derivações para a Grapette e  seu inesquecível slogam “quem bebe Grapette repete”, tanto assim que é repetido  até  hoje, e desencavaram até a Cirilinha, um refrigerante produzido em Santa Maria. 

No total, foram mais de mil participações nas diversas postagens.

Diante do que considero um fenômeno, minha tese é  de que o  presente está tão chato e  o futuro tão incerto que as pessoas preferem resgatar o passado, onde teriam sido mais felizes, sem as agruras de agora e a preocupação com o amanhã. E ocorre assim apesar de   todas as inovações e comodidades do mundo moderno que, em princípio, deveriam proporcionar  mais qualidade de vida e mais felicidade a todos nós, mas que cobram um alto preço em estresse e desencanto pelo que deixam de entregar. É um paradoxo.

Também é verdade que, nas antigas, era limitada a oferta de produtos, daí que ficava mais fácil fixar  e guardar na  lembrança as poucas marcas que disputavam o mercado, diferente de hoje, quando somos bombardeados por inúmeros  e  variados apelos consumistas.

Vou consultar as psicólogas da família -  são cinco! -  em busca  de respostas mais conclusivas para a questão proposta. Ou então apelarei para o pensamento de Zygmunt Bauman, segundo o  qual vivemos tempos líquidos, tudo  é efêmero e a vida se transformou numa  experiência rápida e sem profundidade, como expressou, com talentosa clareza, nas suas obras Vida Liquida, Amor  Liquido  e Modernidade Liquida.

Autoindulgente que sou, peço sinceras desculpas – está na moda pedir desculpas -  por misturar Facebook, balas Embaré, Biotômico Fontoura e outras prosaicas lembranças  com o avançado pensamento do Bauman.  Mas é que temos para o momento e a forma  que  encontrei para marcar o Dia da Saudade,  que se comemora em 30 de janeiro. Sim, existe o Dia da Saudade, faz parte do calendário oficial de datas do Brasil, mas poucas pessoas sabem ou lembram disso  e a celebração quase ficou na saudade.