quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Pequenópolis

*Textos publicados em dezembro de 2010, mas atuais como nunca.

Pequenópolis é uma cidade grande com gente que pensa pequeno. Seu povo é alegre e hospitaleiro, mas parte dele, uma minoria enfezada, detesta progresso. Essa minoria prefere que a cidade fique numa redoma, de forma a se tornar imutável, mesmo com prejuízo para todos. E a maioria cala e assiste impassível o presente ser congelado e o futuro exterminado. Por isso, a cidade que já foi Futurópolis trocou de nome na medida em que se apequenou. Era a cidade sorriso, hoje é a cidade rançosa.

Em Pequenópolis pululam os ecochatos, destacam-se os oportunistas de plantão, ganham espaço os porta-vozes da mediocridade, inflamam-se as falsas lideranças dos movimentos do “não”, todos contra qualquer proposta que impulsione a cidade. Não os reconheço como guardiões do que é certo ou errado para minha cidade.

(...)

Revitalização significa vida nova e é isso que os pequenopolitanos que aspiram chegar a futuropolitanos querem para a cidade.

Importante nesta hora é estar atento porque os que detestam progresso e inovação ainda conspiram para que Pequenópolis se apequene ainda mais até virar Nanópolis. São os mesmos que lideraram o movimento contra o projeto de moradias no Pontal do Estaleiro, decretando que aquela área está destinada a se tornar um deserto após o horário comercial. São os mesmos que torcem o nariz para a construção do Teatro da Ospa, junto ao Parque da Harmonia. São os mesmos também que se preparam para boicotar as propostas para revitalizar a Orla e resgatar o Guaíba.

O Previdi (www.previdi.com.br) tem razão. Essa gente odeia nossa cidade.