segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Balseira do Ciberespaço

Esse texto foi publicado em janeiro de 2010, mas continua atual, exceto pelo fato de que a blogueira cubana Yoani Sánchez já pode viajar ao exterior. Ela chegou de madrugada em Recife, sendo recebida no aeroporto com manifestações hostis de um grupo de cerca de 20 pessoas, que até as pedras da rua sabem quem organizou.  Segundo a Folha de São Paulo, o protesto não aborreceu a blogueira que disse que gostaria muito que em seu país as pessoas pudessem fazer o mesmo. "Foi um banho de democracia e pluralidade, estou muito feliz e queria que em meu país pudéssemos expressar opiniões e propostas diferentes com esta liberdade".  Yoani é autora do livro De Cuba, com Carinho.


Um dos bons presentes que ganhei recentemente foi o livro De Cuba, com carinho, de Yoani Sánchez. Ela escreve um dos blogs mais visitados em todo o mundo, o Generacion Y, com milhões de acessos, mas quase não consegue ser lida em Cuba pela óbvia razão de que o governo não tem o menor interesse em que seus conteúdos sejam difundidos entre a população local. Isso não impediu Yoani foi eleita pela revista Times uma das mulheres mais influentes do mundo e ganhasse em 2007 o prêmio Ortega e Gasset de jornalismo digital – que não pode receber pessoalmente na Espanha!

Formada em Filologia Hispânica, essa balseira do ciberespaço, como ela mesmo se define, escreve admiravelmente bem porque com simplicidade. Cada palavra e cada frase está no seu devido lugar e cumpre sua função, talvez porque a parcimônia nos seus textos reflita a própria Cuba de hoje, que impôs a seus filhos privações de toda a ordem e é preciso saber conviver somente com o essencial, inclusive para se comunicar. Mas diferente da situação do país, o resultado do trabalho de Yoani é harmonioso, mesmo com a dureza com que ela trata dos assuntos, sem meias palavras para criticar os dirigentes cubanos ou para descrever as difíceis condições de vida dos hermanos.

Yoani e Generacion Y são exemplos de resistência ao totalitarismo, clamor por mais liberdade, um grito de esperança, alternando destemor e medo diante das ameaças, tudo isso com muito amor pelo seu país e apesar das imensas dificuldades de acesso à rede e do absoluto controle e restrições governamentais.

Entretanto, aos 35 anos Yoani parece desencantada com o futuro de Cuba, nem tanto pela falta de liberdades ou pela carência dos bens mais básicos, mas pelo fim das ilusões que transformou os cubanos em um bando de embusteiros, diferente do povo que recuperou sua dignidade nos primeiros anos da revolução. Enganar o governo sempre que possível, encontrar formas de burlar as determinações legais para o bem e para o mal, apelar para o mercado negro ou simplesmente dar as costas à Ilha e buscar o exílio é o que move hoje a maioria dos 11,5 milhões de cubanos. Yaoni preferia que toda esta energia fosse direcionada para a luta contra a ditadura castrista, por isso extravasa seu ressentimento em alguns textos. "Medalhistas de Vermelho" é um dos textos que reflete bem como se dão as relações na Cuba de hoje:

Existe entre nós um esporte praticado com freqüência, mas cujas estatísticas e incidências não são mencionadas em lugar algum. Trata-se da modalidade esportiva de devolver a carteira do Partido Comunista, para a qual muitos dos meus compatriotas vêm se preparando durante anos. O mais importante é treinar os sentidos para encontrar o momento adequado de levantar-se na assembléia e dizer "companheiros, por motivos de saúde não posso continuar arcando com a tarefa que vocês me confiaram". Há quem alegue ter uma mãe doente – de quem terá que cuidar – e outros manifestam sua intenção de se aposentar para tomar conta dos netos. Poucos dos testemunhos dos que encerraram a militância contém a confissão honesta de terem deixado de acreditar nos preceitos e princípios que o Partido impõe.

Conheço um que encontrou um modo original de escapar das reuniões, das votações unânimes, dos chamamentos à intransigência e das freqüentes mobilizações do PCC. Como um boxeador, treinado para agüentar até que soe a campainha, compareceu ao que seria seu último encontro com o núcleo partidário de seu local de trabalho. Supreendeu a todos pelo argumento inusitado, um verdadeiro swing de esquerda que ninguém esperava. “Todo o dia compro no mercado negro para alimentar minha família e isso um membro do Partido Comunista não deve fazer. Como devo escolher entre colocar alguma coisa no prato dos meus ou acatar a disciplina desta organização, prefiro renunciar.” Todos na mesa se entreolharam incrédulos, “mas Ricardo, o que você está dizendo? Aqui a maioria compra no mercado negro”. O ‘golpe’ que vinha ensaiando encerrou com chave de ouro o breve assalto: “Ah...então eu vou embora, pois não quero pertencer a um partido de dissimulados, que dizem uma coisa e fazem outra”.

O livrinho vermelho, com seu nome e sobrenome, ficou sobre a mesa à qual nunca mais voltou a sentar-se. A medalha de campeão, quem lhe deu foi a própria mulher quando chegou em casa. “Finalmente se livrou do Partido”, disse ela, enquanto lhe sapecava um beijo e lhe passava a toalha.
"

Não é preciso dizer que recomendo com entusiasmo "De Cuba, com Carinho", de Yoani Sánchez (Editora Contexto).