segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Gourmetizaram a pipoca

Acho que já falei que considero alho poró uma das mais sonoras expressões da língua portuguesa. Não canso de repetir: alho poró, alho poró ! Que sonoridade!  Tão sonora como “paradigma”,  “destarte”, “viés”, “elidir”, das quais gosto igualmente sem qualquer razão aparente.  A diferença é que alho poró é materializável e, mais do que isso, é degustável, enquanto as outras servem apenas para adornar editoriais jornalísticos que ninguém lê .

Na real, o alho poró aparece aqui como gancho para falar da mania que tomou conta da gastronomia moderna. Parece que é fenômeno mundial. Qualquer cardápio que se preze precisa estar devidamente gourmetizado, isto é, o que era uma simples e honesta comida, agora ganhou status, senão no preparo, na descrição do prato. 

A revista Superinteressante sacou bem a nova onda e recentemente produziu matéria revelando 15 alimentos simples que foram gourmetizados, entre eles a tradicional pipoca que recebeu ingredientes como flor de sal e perfume de trufas e, ainda, a coxinha com recheio de lascas de limão siciliano e confit de pato;  o brigadeiro, o nosso negrinho, que estão maculando com temperos indianos,  sem contar o cachorro quente que já vinha sendo sendo atolado de porcarias e agora se sofistica com maionese de trufas e queijo gruyère. Com o perdão do trocadilho, o destempero nesses casos não tem limites.

Pior são aquelas reuniões-almoço que me obrigo a frequentar e sou provocado com menus difíceis de decodificar e, por conseguinte, de sabores muitas vezes indecifráveis. Outro dia  serviram de entrada algo como "royal de legumes da estação" que achei parecido com uma seleta de legumes. Depois,  no prato principal,  veio um "timble  de legumes", que fico devendo a tradução e, por fim, na sobremesa,  "marquise de dois chocolates com coulis de frutas vermelhas e gelado de creme", uau! Em outro evento a sobremesa era "sopa de frutas" – suspeito que seja o mesmo que salada de frutas – com sorvete de manjericão.  Também já enfrentei de entrada um "salmão sob leito de aspargos ao molho de laranja polvadre" e na sobremesa um "cheesecake de Oreo com gelato de iogurte com frutas vermelhas".

Podem me chamar de rabugento e preconceituoso diante das inovações culinárias,  mas gosto mesmo é da simplicidade e tenho o respaldo de afamado chef francês, daqueles citados pelo Guia Michelin, que declarou, sem constrangimento, que seu prato preferido é a prosaica a la minuta.  No meu caso, pode até ser temperada com um bocadinho de alho poró.