quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Stenio e Marilene & Lennon e Yoko

O mundo caindo e a nudez do Stenio Garcia e da mulher viraram a polemica da hora nas redes sociais, nos portais de informação e mesmo em veículos da chamada imprensa tradicional.  É recorrente relatos assim, como se a imprensa e o público – que é conivente com essa prática porque consome tais besteiras  – precisassem de uma derivação no viés do entretenimento para suportar a carga pesada (sem trocadilho com o seriado protagonizado por Stenio e Antônio Fagundes) , das notícias do mundo da política, da economia, do dia a dia de violência. Os defensores da teoria da conspiração afirmam que se trata de uma manobra para desviar a atenção da Lava Jato. Não é pra tanto.

A verdade é que o noticiário internacional também está carregado de nuvens sombrias, com seus relatos das  infâmias do Estado Islâmico e de outros grupelhos terroristas, a grande marcha dos refugiados,  as provocações entre Estados Unidos e Rússia resgatando a guerra fria e, ainda, as oscilações das bolsas de valores.   Nesse contexto, só Francisco salva, mas vamos combinar que não fica bem envolver o carismático Papa com a nudez do Stenio.

A propósito, o casal de famosos precisa chegar a um consenso sobre que atitude adotar, pois enquanto o ator leva o assunto numa boa, a mulher Marilene Saade quer ir as últimas consequências para descobrir quem vazou as fotos dos dois em nu frontal. O desacordo ajuda a deitar por terra o argumento de que o assunto ganha destaque porque é preciso preservar a  privacidade das pessoas. Além disso, quem viu as fotos revela que Stenio surpreende negativamente em termos de equipamentos, se bem que deve ter outras qualidades porque vive há mais de seis anos com a atual companheira, 36 anos mais jovem – ele tem 83 anos e ela 47.

Na real, estão tão banalizados esses vazamentos que, às vezes, desconfio que vítimas e algozes são a mesma pessoa e que o berro de indignação faz parte do teatro, Certamente não foi o caso de Carolina Dieckmann, envolvida em um vazamento de fotos, que esperneou o que deu e acabou ganhando lei promulgada em 2012 com seu nome, tipificando os chamados delitos ou crimes informáticos.

Caso emblemático mesmo foi o da  nudez de John Lennon e Yoko Ono em 1968 para ilustrar a capa do álbum Unfinished Music Nº:Two Virgins, como bem lembrou meu amigo Caco Belmonte numa postagem que fiz sobre o assunto no Facebook. O que o Caco não disse foi que as fotos de costas mostraram uma realidade cruel : a derrière dela era mais feia do que a dele, bem mais feia. Vai no Google e confere, porque eu nao tenho coragem de reproduzir.