sábado, 8 de agosto de 2015

O ópio do povo

* Publicada originalmente em Zero Hora, em 08/08/2015, páginas 34/35 

Motivação pode ganhar jogo, mas não ganha campeonato. Campeonato se ganha com time, grupo e estratégia.  Vem aí o Gre-Nal e,  mais do que nunca, a combinação dos três fatores é que vai ser decisiva para determinar o vitorioso, embora no clássico gaúcho a motivação tenha enorme peso  –  para os dois lados.

Time por time,  os dois tem  lá suas limitações, mas  o Grêmio parece mais ajustado e a posição na  tabela está aí para comprovar. O elenco do Inter oferece mais opções, embora os desfalques previstos de Aránguiz e, talvez, de  Geferson.  Mais opções significam mais possibilidades de decidir o jogo com alguma peça de reposição.  Já o tricolor, ainda  vai ter que apostar em Edinho para suprir a importante ausência de Wallace. Em compensação,  terá a volta de Grohe, antes que Tiago leve os gremistas à loucura com suas bisonhices nas saídas de gol.

Vamos então para a estratégia, o esquema de jogo, as artimanhas que poderão surpreender,  a jogada ensaiada e treinada secretamente, mistérios de escalação para  deixar   o adversário desnorteado,   enfim, a hora da verdade,  o jogo jogado, a bola rolando. O Diego Aguirre era mais experiente que o Roger, mas errou tanto que acabou demitido, colocando o jovem e estudioso técnico gremista em ligeira vantagem diante de um interino. Nesse caso, a estratégia da direção colorada é arriscadíssima em semana de clássico  e fica a duvida sobre como reagirá o time sem um treinador  na casamata. Mas vale lembrar que Roger foi bem sucedido como interino no Grêmio, inclsuive com vitória em Gre-Nal. Ou seja...

Ten ainda o fator local, a Arena cheia de fervor gremista , a empurrar o dono da casa. Ainda assim, mesmo que  o quadro  do momento seja mais favorável para o Grêmio, não me arrisco a considerá-lo favorito para o clássico.  O Gre-Nal tem se prestado para , como se diz no popular, “arrumar a casa”.  Ou, como agora, para definir “o menos pior”,  expressão que tomei a liberdade de roubartilhar do Diego Olivier.

Isso posto, agora um momento confessional: depois de mais de  30 anos atuando no jornalismo esportivo em rádio, tv e jornal, cuidando para que meu gremismo não aflorasse, fiquei vacinado diante das disputas envolvendo nossos dois principais clubes. Faço minhas provocações nas redes sociais, mas  quem me conhece sabe que é só pelo espírito provocador, pois já me flagrei torcendo  pelos Vermelhos, discretamente é verdade,  em competições nacionais e internacionais.  Porém, esse meu lado harmonioso não vale para o Gre-Nal: no domingo, cheio de motivação,  sou só Imortal. E se nada der certo, já tenho a saída pronta:  vou postar no Face -  “Grenal  é o ópio do povo”.