sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Rio Grande no divã

De repente, o Rio Grande amado descobriu que não é  mais o maioral, que aquela história de que somos brasileiros diferentes dos lá de cima, de que as nossas lideranças são as melhores, de que aqui é o lugar dos fortes e justos, enquanto o resto ou é a chatice e soberba dos paulistas ou a carioquice dos demais, que tudo o que nos orgulhava pouco a pouco foi corroído.  Nunca antes na história deste Estado nossa auto estima esteve tão baixa.

O golpe mais recente no nosso orgulho ocorreu com a divulgação dos índices do IDEB, que colocam o ensino público gaúcho em patamares medíocres, logo nós que sempre nos vangloriamos da qualidade do nossa educação, desde Brizola até recentemente o governo Rigotto quando recebemos o reconhecimento de melhores do Brasil na avaliação da Unesco. Em apenas seis anos afundamos para os níveis atuais.

Já havia pressentido a derrocada gaúcha quando descobri que a melhor carne para o nosso churrasco dominical, aquele costela suculenta ou a picanha tenra, era importada do Brasil do Centro Oeste, terra de índios e duplas sertanejas na nossa percepção equivocada. Pior, o honesto churrasco assado em espetos está sendo substituído pelos grelhados, não sei se por influência paulista ou platina.  Mas já ouvi de um ex churrasqueiro de fé, eu disse ex, que “esse negócio de assar carne no espeto é churrasco medieval”.

Invoco  a infâmia perpetrada contra a tradicional gastronomia gaúcha para tirar da cartola uma tese da hora, que é a seguinte: nossa baixa auto estima terá como consequência grandes comemorações farroupilhas, para compensar, com o culto a um passado que seria glorioso, um presente que nos deixa cabisbaixos.

Vou aproveitar e emendar outra tese. A culpa de tudo seria do grenalismo que se instalou nas instâncias públicas de nosso estado, retardando projetos importantes em nome de sectarismos partidários, dificultando conquistas porque a ideia partiu de um adversário político, impedindo avanços porque os dividendos irão para outra facção, colocando interesses pessoais – e pequenos – à frente dos interesses de todos.

Se no futebol a rivalidade não deixa de ter seu lado benéfico porque obriga o adversário a se superar, no âmbito público, que deveria privilegiar o bem comum,  essa  beligerância permanente  é nefasta e joga  todos nós para baixo. E leva o Rio Grande, que agora é grande só no nome, ao divã do analista para entender o que aconteceu. Até parece que estou ouvindo: "Doutor, quero ser grande de novo!".