domingo, 21 de fevereiro de 2016

Uma hora a mais

O que fazer com aquela hora que nos subtraíram no início do Horário de Verão e devolveram agora? Está enganado quem pensa que se trata de um falso dilema. Estamos acostumados as nossas rotinas diárias e elas incluem todas as situações importantes  - trabalhar, satisfazer as necessidades básicas, por aí  - até as mais prosaicas ou mais prazerosas –  beber com os amigos, repassar uma fofoca, ver TV, fuçar na internet -,  ou seja, o que cabe nas 24 horas do dia.

Parece bobagem mas a verdade é que somos programados para cumprir essa escalada de coisas diariamente, sete dias por semana, com pequenas variações em alguns dias como nos fins de semana.  Admita, você, como eu, é metódico: dorme sempre no mesmo horário, segue sempre os mesmos rituais quando acorda, ao chegar ao trabalho age sempre da mesma maneira. Somos guiados por tais referencias. . Sair da rotina é sinônimo de tensionamento e geração de ansiedades.

Aí chega aquele sábado em que o dia tem 25 horas, 1.500 minutos, 90 mil segundos. É tempo extra pra caramba, quase uma eternidade para os metódicos,  e surge o dilema:  como preencher esse tempo? Deveria ser uma dádiva, pode virar uma angustia no meio da noite. Lancei a provocação no Facebook e imaginei que viriam as sugestões as  mais estapafúrdias e escabrosas – sexo tântrico, por exemplo - , mas o que mais sugeriram foi...curtir os netos, o que talvez revele que os faceamigos consideram o vô aqui um sujeito bem família.

Pior que o dilema proposto, só o fevereiro bissexto, que é bi e sexto,  mas ocorre a cada quatro anos, como este ano. Incoerência a parte, conheço uma moça que nasceu num 29 de fevereiro e até hoje, embora se vanglorie de comemorar aniversários de quatro em quatro anos, na verdade passa a impressão de imaturidade. Sei lá se tem a ver com causa e efeito. E como registrar as crianças que nascem na hora extra pós-horário de verão?  O aniversário será comemorado no sábado ou no domingo?  Tal duvida pode traumatizar uma criança por toda a infância e talvez pelo resto da vida, o que não é pouca coisa. Criança dá muito valor à data do seu aniversário.  Estejam atentos, portanto, senhores pais.

Quanto a mim, resolvi o problema de ocupação da hora a mais escrevendo este  texto. Obrigado pela dica, Alberto Walter de Oliveira.