terça-feira, 15 de março de 2011

Quando eu era milionário - final

*Publicado originalmente em 1º/11/209. Recomenda-se ler a postagem anterior

Então, em 1994 veio o Plano Real. E eu que estava cobrindo a Copa do Mundo nos Estados Unidos acabei não sofrendo o primeiro impacto do novo plano. As informações vindas do Brasil davam conta que, depois de sucessivos planos econômicos malsucedidos, havia uma justificada desconfiança da população.

De volta a terrinha, a primeira coisa que fiz ao chegar no Galeão foi trocar dólares por reais e aí tomei contato com aquelas notas feias, diferentes uma das outras, eu que estava quase americanizado depois de 55 dias nos EUA, pagando e recebendo em verdinhas. Economizei uma boa grana em dólares naquela viagem, mas mesmo assim não levei vantagem porque no início do Plano Real o dólar valia tanto quanto a nova moeda brasileira. Era 1 por 1.

E lá se foi mais uma chance de reiniciar a vida de milionário.Fiquei curtindo essa frustração até que descobri no site da Fundação de Economia e Estatística (www.fee.tche.br) um programa que converte os valores monetários, atualizando-os no tempo. E constatei que a minha condição de milionário no passado era pura ilusão, fruto da mágica operada nas trocas de moedas, que perdiam zeros para passar a impressão que o nosso dinheiro se fortificava.

Os mais de 60 milhões que recebi em 1985, na verdade, equivaleriam hoje a pouco mais de 57 mil reais, ou 4,3 mil reais/mês, um salário nada desprezível. Os 5,2 milhões de 1991 seriam, em valores atuais, cerca de 30 mil reais. O Passat que vendi por 2,7 milhões em 1992 valeria hoje, só para efeito de exercício financeiro, uns 6,7 mil reais. A mensalidade da creche que custava 15 mil cruzados ficaria por 194 reais e a escola que cobrava 29 mil cruzados novos receberia hoje, se os proprietários não fossem gananciosos, exatos 208 reais.

Como se observa, nem precisa ser versado em macroeconomia para constatar a equivalência nos valores entre um período e outro, o que me leva a outra constatação: havia muito de efeito psicológico na tal de inflação. Mesmo assim, não sinto saudades daquele tempo. Prefiro a estabilidade de agora que me assegura um amanhã sem surpresas.

No quadro abaixo é possível visualizar melhor o que já enfrentamos em termos de mudanças de padrão monetário. De 1967 a 94 foram sete planos, ou quase uma mudança a cada quatro anos:

Quadro 1 - Mudanças no padrão monetário brasileiro

ANO MÊS  MOEDA          SÍMBOLO          EQUIVALÊNCIA

1942 Out    Cruzeiro            Cr$                      Rs 1$000 (um mil réis)

1967 Fev    Cruzeiro Novo  NCr$                   Cr$ 1.000,00 (um mil cruzeiros)

1970 Mai    Cruzeiro            Cr$                     NCr$ 1,0 (um cruzeiro novo)

1986 Fev    Cruzado            Cz$                     Cr$ 1.000,00 (um mil cruzeiros)

1989 Jan     Cruzado Novo  NCz$                  Cz$ 1.000,00 (um mil cruzados)

1990 Mar   Cruzeiro            Cr$                      NCz$ 1,00 (um cruzado novo)

1993 Ago   Cruzeiro Real    CR$                     Cr$ 1.000,00 (um mil cruzeiros)

1994 Jul     Real                   R$                       CR$ 2.750,00 ( 2,750 cruzeiros reais )