sábado, 28 de janeiro de 2017

Contos da Mesa ao Lado: A Maldição de Eros

Este despretensioso conto foi publicado originalmente em 2010, com o título Midas Moderno, mas sem um final. Apesar dos apelos pela contribuição por um desfecho só agora o conto está completo e, por isso, republicado com um novo título, abrindo um novo espaço no ViaDutra, os Contos da Mesa ao Lado.

                                                             ----ooo----

Ele sempre sonhara em ter nos braços e depois na cama as mais belas mulheres. Nas caminhadas pela cidade, já fazia uma seleção das que lhe interessavam e buscava a diversidade na quantidade. Altas, baixas, magras, mais cheinhas, loiras, morenas, mulheres com cabelos chapinhados ou crespos, ninfetas e trintonas.  Na dúvida se escalaria para seu elenco fictício, dava preferência para as de bumbum bem torneados. Cada uma das selecionadas merecia um enredo e aí a imaginação corria solta. Com a loira de jeans apertado e cintura baixa, sonhou com uma transa naquelas praias paradisíacas do Caribe. Com a morena de lábios carnudos, imaginou mil situações à beira de uma piscina e depois o clímax dentro da água. A baixinha seria personagem de grandes contorcionismos no banco de trás do carro. A mais gordinha teria o privilégio de um pernoite no motel, onde ele poderia percorrer com calma toda a geografia daquele corpo mais avantajado. Para a moça com carinha virginal, reservava os jogos eróticos menos convencionais e para aquela outra, com jeito de safadinha, se entregaria sem pudores, deixando que ela comandasse a brincadeira.

Estava virando obsessão e eram recorrentes os sonhos de conquistas que, na real, jamais aconteceram. Ele achava mesmo que tinha pouco a oferecer: não era bonito, para atlético não servia e ainda penava com o salário magro que o impediria de fazer uma presença às deusas escolhidas. Faltava-lhe, sobretudo, coragem para abordá-las porque não saberia o que dizer depois do primeiro contato. Assim, sem outros predicados, ele queria ser ungido com os poderes mágicos, como os do Rei Midas, o personagem da mitologia grega que recebeu do deus Baco o dom de transformar em ouro tudo o que tocava. Mas seria um Midas moderno porque o ouro de seu desejo seriam as belas garotas que faziam parte da sua galeria de conquistas potenciais. Bastaria um toque, um aperto de mão, um beijo mais carinhoso, e elas se prostrariam aos seus pés, prontas para se transformarem em escravas sexuais, ávidas para satisfazer todos os seus desejos e fantasias, incondicionalmente suas, e sem muito dispêndio de energia na conquista.

No verão, na véspera do seu aniversário, ele passou a noite sonhando que seu desejo se tornara realidade. Foi um sonho contínuo, onde desfilaram todas as mulheres dos seus desejos e mais algumas que o inconsciente ofereceu – celebridades, amiguinhas de adolescência, primas interessantes, atrizes pornôs e até representantes da realeza européia.  Acordou banhado em suor e exausto, como se tivesse compartilhado a cama com todas elas, uma de cada vez, é claro. Foi um prazeroso, mas cansativo presente de aniversário, pensou. E ainda havia aquela estranha criatura interferindo no sonho, que se apresentou como Eros e que se vangloriava, porque fora deus na antiguidade, de poder mudar a vida dele para melhor.

O sonho fez dele um homem perturbado a caminho do trabalho. Ele queria entender o significado das imagens que povoaram seu sono e nas divagações de uma manhã num ônibus lotado nem percebeu que sua vizinha de banco passou a pressionar suas coxas e se insinuar por olhares e mais movimentos corporais invasivos do seu espaço. Quando percebeu a movimentação da moça, diferente do usual, ficou constrangido e procurou se afastar. Mas a moça, bonitinha nos seus presumíveis 25 anos, insistia em se aproximar mais e mais e ele começou a ficar preocupado. Temia ser acusado de assédio, logo ele que era a timidez em pessoa. E a moça se achegava cada vez mais e ele estava quase fora do banco quando decidiu descer para evitar maiores problemas. Ao levantar, a vizinha de banco veio atrás e desceu junto do coletivo. Agora ele já estava assustado, certo de que estava sendo vítima de um assalto, na pior das hipóteses, ou de uma pegadinha dessas que ridicularizam as pessoas na tv, na menos pior das hipóteses. A moça veio decidida ao encontro dele no ponto de ônibus, mas ele saiu em disparada e entrou no primeiro táxi que encontrou.

Chegou esbaforido ao escritório e foi direto ao banheiro para molhar o rosto e enxugar o suor. O que viu no espelho foi um homem a beira de um ataque de nervos e precisou de alguns minutos para se recompor. Na saída do banheiro esbarrou na estagiária do Departamento Jurídico e antes que pedisse desculpas foi arrastado pela moça para a sala do arquivo. O local era pouco frequentado naquele horário e a moça, uma belezinha de 21 aninhos, não demorou muito para despir-se completamente e avançar sobre ele. Acuado e atônito ele ficou sem reação e se deixou levar pela voracidade da parceira. Entre arquivos e pastas de documentos se entregaram a uma transa rápida, mas intensa. Ao final, sem dizer uma só palavra ela recolocou as roupas e, parecendo plenamente saciada, se despediu mandando beijinhos. “Que loucura foi essa”, ele se perguntou, enquanto recolhia suas roupas e tratava de se ajeitar minimamente para enfrentar o dia de trabalho.

O episódio logo se espalhou, não por iniciativa dele, mas porque a moça não resistiu em compartilhar as emoções do encontro transgressor, logo ela sempre tão recatada. O resultado é que ele passou a ser requisitado para experiências semelhantes por todo o naipe de estagiárias, dos Recursos Humanos às da diretoria, passando pelo Marketing e os Serviços Gerais. A fama de garanhão corria solta e já não havia mais hora nem lugar vedado às peripécias sexuais. Sem dúvida era uma nova fase na vida dele e ele estava gostando até porque seu horizonte de conquistas começou a se alargar. As secretárias da diretoria e de outros setores exigiram espaços na sua agenda e ele os co ncedeu com prazer. Eram moças e senhoras mais sofisticadas e dotadas de bons conteúdos, mas quem disse que elas queriam conversa. Tudo o que elas desejavam era desfrutar dos prazeres que ele proporcionava e para isso não poupavam recursos, proporcionando ótimos jantares, locações nos melhores motéis e viagens e maratonas sexuais nos fins de semana. Ele dava um jeito de atender a todas, inclusive de outras empresas, além das vizinhas e eventualmente de alguma desconhecida, já a fama estava cada vez mais disseminada.

Envolvido nesse reino de fantasias e prazer, ele já não questionava mais porque tudo aquilo estava acontecendo. Achava que devia se conceder o máximo desfrute, afinal, o que antes era obsessão e sonho, agora se tornara realidade. A única preocupação era manter distância de insinuações indesejadas, como a do diretor financeiro, gay assumido, que propôs trocar seus favores sexuais por um carro zero quilômetro. Aí já era demais, como excedeu também a investida da mulher do presidente da empresa, uma matrona plastificada dos seus 60 anos, que passou a persegui-lo de todas as formas e com todas as propostas. Foi difícil desvencilhar-se dela, mas aos encantos da filha, uma loira desinibida beirando os 30, ele n&ati lde;o resistiu, até para ter um ponto de apoio familiar na casa do presidente, caso a mãe, despeitada, resolvesse intrigá-lo.

Eram tantas as pretendentes ao seu toque mágico que ele passou a ser mais seletivo nas suas escolhas. Já não havia diversidade nas que compartilhavam a sua cama. Ele claramente optou pelas mais jovens e mais exuberantes, deixando de lado as maduronas, sem os mesmos atrativos das garotinhas escolhidas, mas mais generosas nas contrapartidas materiais. A seletividade - e ele só se deu conta mais tarde - trouxe dissabores. As rejeitadas passaram a hostilizá-lo. Na seqüência, começaram a espalhar boatos e maledicências a respeito dele e do seu desempenho sexual.

- Aquilo? Foi uma decepção: é muito pequeno.

- Dá apenas uminha e já quer dormir.

- Ouvi dizer que agora está pegando rapazes.

- Achei estranho ele estar usando uma calcinha feminina.

- Só sabe fazer “papai e mamãe”.

- Olha, cheguei a ficar com saudado do meu ex.

 A confraria das rejeitadas era formado exclusivamente por mulheres já com boa quilometragem, experientes nas tramas que só as mulheres sabem urdir, casadas, descasadas e recasadas, enfim, senhoras a que se deve dar crédito e, sobretudo, temer. Ele não fazia ideia da energia negativa gerada pela rejeição e o estrago na sua reputação que isso provocaria. A injusta má fama logo se espalhou, mas ele não estava nem aí porque ainda tinha uma missão a cumprir. Faltava conquistar a recepcionista da empresa que o evitava, mantendo prudente distância física. Era uma morena sem maiores atributos físicos, mas o fato de ela se manter invicta passou a desafiá-lo. 

 Só que agora ela era um homem determinado e autoconfiante, por isso direcionou seus esforços para vencer a resistência da moça. Até que um dia precisou trabalhar além do horário para compensar as escapadas e...

 - Fazendo hora extra?

 Quem perguntava era a morena da da recepção, livros à mão indicando que estava de saída para a faculdade.

 - Não, já estou de saída também.

 Saíram juntos do escritório e no elevador os dois tocaram ao mesmo tempo o botão para o térreo. Foi o recepção, livros à mão indicando que estava de saída para a faculdade.suficiente para que a recepcionista, a exemplo de suas outras colegas, começasse a despir-se enquanto fazia o mesmo com ele, beijando-o de alto a baixo. Dessa vez ele não reagiu e se entregou a transa com prazer, sem se importar com a câmara espiã que espreitava o casal em êxtase no sobe e desce do elevador. Sempre sonhara em transar no elevador e agora estava realizando o desejo, por isso curtiu cada momento.  Quando finalmente decidiram que era hora de chegar ao térreo, o guarda da portaria, mais preocupado em jogar paciência no computador do que vigiar as câmeras de segurança, não prestou maior atenção a eles. Despediu-se da moça e ficou com gostinho de quero mais.

 Mas não houve uma segunda vez, nem terceira nem outras. O seu toque parecia não funcionar mais, pelo menos com a recepcionista. E olha que ele bem que tentou, cercando-a de todas as maneiras. Mas a moça se mantinha irredutível, erguendo uma barreira intransponível entre eles. Tornara-se obsessão para ele reconquistar aquele corpo e repetir os prazeres que o sobe e desce do elevador proporcionara naquele dia do primeiro e único encontro.  O Midas erótico estava perdendo o encanto e ele mesmo já não sentia prazer nas conquistas, tão fáceis e tão descartáveis. Em paralelo, enfrentava a pressão das rejeitadas, que tratavam de miná-lo de todas as formas.  O emprego dele agora estava por um fio p orque a filha do presidente passou a integrar, junto com a mãe, o clube das rejeitadas e pedira o cargo dele ao pai. Envolvido nesse turbilhão, ele maldizia o sonho que o empoderara com o toque do prazer. Como no Midas da mitologia queria voltar a ser o que era antes.

Quando voltou a sonhar com o deus Eros, seus problemas acabaram. Eros atendeu seus apelos, mas impôs um alto preço. A divindade manteve nele o dom de atrair todas as mulheres, mas ao mesmo tempo concedeu-lhe indesejada impotência sexual. As benesses que havia conquistado ficaram no passado e agora vivia atormentado por um mal pior do que o assédio de que era alvo na situação anterior. Ao acordar do pesadelo, resignou-se

- Fui acometido da Maldição de Eros. Tenho todas as mulheres que gostaria, mas não sinto qualquer prazer. Agora sou um midas broxa.