segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Quase um ermitão

Do jeito que 2012 está se comportando vou acabar fugindo para as montanhas e virar ermitão. Só assim  para conviver com uma realidade que dá de goleada na ficção nesse início de ano.  Já nem falo da rotina dos edifícios desabando, da crueldade de bebês abandonados e dos assaltos cinematográficos à bancos. O que está pautando agora esse arrancada de um ano,  já prenhe de acidentes, incidentes e incidências incomuns,  são alguns estudos e pesquisas surpreendentes, tão surpreendentes como o fato de Wando deixar de ser brega e virar chic e cult, ao partir desta para melhor.

Até mesmo o sisudo judiciário está contribuindo para a perplexidade geral nesses tempos confusos, tanto assim que o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a prisão domiciliar de um morador de rua preso em flagrante sob acusação de furto.  Detalhe é que o cidadão pode ser preso a qualquer momento por não cumprir a decisão judicial de ficar em casa...

Agora se vocês estão pensando que decisões judiciais absurdas são privilégio do Brasil, olha só o que aconteceu na Flórida (EUA): um juiz resolveu meter a colher em briga de marido e mulher e obrigou o sujeito a levar a madame para jantar no local escolhido por ela. E mais: deveria presenteá-la com flores, acompanhadas de cartão romântico e, suprema decisão, levá-la a um boliche.  Tudo porque o réu havia agredido a esposa depois que ela exigira sair para comemorar o aniversário. Não há o que não haja. Ou como diria um operador do direito, das nossas relações: “Me tira o tubo”.
E como encarar as tais pesquisas de resultados surpreendentes? Os estudos envolvendo a cerveja são típicos.  Instituições insuspeitas já haviam divulgado pesquisas dando conta de que a loura gelada fortalecia os ossos, combatia o diabetes e contribuía para evitar ataques cardíacos.  Agora, contrariando todas as evidências, uma pesquisa da Universidade de Barcelona com 1.249 homens e mulheres , após investigar se a cerveja é a principal responsável pela “barriguinha saliente” em consumidores da bebida, chegou a conclusão que, em vez de fazer engordar, a cerveja, na verdade, evita o ganho de peso.  

Falta dizer que a “barriguinha” ganhou uma adesão de peso, sem trocadilho. Trata-se da psicóloga e especialista em sexologia, Carla Moura, que publicou artigo aconselhando as mulheres a darem preferência aos barrigudinhos nas suas relações. Segundo a doutora, minha nova ídala, "homens com barriga não são metidos, nem prepotentes, nem donos do mundo; eles sabem conquistar as mulheres por maneiras que excedem a barreira do físico. E eles aprenderam a conversar,a ser bem humorados, a usar o olhar e o sorriso pra conquistar. É por isso que eu digo que homens com barriguinha sabem fazer uma mulher feliz".  Depois dessa, suspendi de vez as sessões da academia e as caminhadas matinais.

A verdade é que, mesmo que sejam favoráveis, tais pesquisas desafiam o senso comum e deitam por terra as mais arraigadas convicções. Mas nada, nada mesmo, me deixou mais tonteado nesse inicio de ano que ver uma foto do Zeca Pagodinha bebendo...água! Ai já é demais. Fui pras montanhas esperar o  fim dos tempos.