sábado, 13 de maio de 2017

Pérola Negra



Já  no primeiro encontro que tive com a Indaiá Dillenburg, há  uns bons 12 anos, me quedei de paixão. Não tem como não gostar da  alegria contagiante dela, da risada  gostosa, do carinho esfuziante, enfim, daquele jeito de quem está de bem com a vida, curte as pessoas e as relações. Foi amor à primeira vista, tanto assim que cunhei para ela um  apelido do bem,  pelo qual ficou conhecida em toda a Prefeitura de Porto  Alegre, onde labutávamos: Pérola Negra. 

A orgulhosa negritude, contrastando com o sobrenome alemão, só é superada pelo orgulho da família,  que vive a celebrar nas redes sociais -  o maridão, as duas filhas e o neto  tão lindo  como o meu Augustão . Cidadã viamonense, baita profissional de Comunicação, conseguiu se impor e ser respeitada nos ambientes, sem sempre acolhedores, das plenárias  do Orçamento Participativo, o campo de atuação dela por mais de  10 anos. Com a Pérola não tinha hostilidade porque circulava com desenvoltura e naturalidade, tratando igualmente tanto as lideranças políticas como os despossuídos. Dava gosto ver ela cercada de gente, gargalhando diante de algum episódio ocorrido.  

Essa autêntica força da natureza passou a se dedicar agora à literatura. É uma das DezMioladas,  10 cronistas reunidas no livro com este título lançado recentemente pela  Farol3 Editores. É um momento delícia ler as quatro crônicas, cheias de  vida como  a  Pérola, mas não vou antecipar nada. Vai lá, compra o livro e confere.  

Foi o que fiz e aí caiu a ficha, eu que procurava há longo tempo uma parceira para o próximo livro – o Dueto. É ela, a Pérola, estava na minha cara e eu não enxergava. Bastou uma conversa, regada a cafezinho e tudo ficou acertado, com uma selfie para confirmar.  Dueto chega em setembro e  adianto o seguinte: reina grande expectativa.