domingo, 28 de setembro de 2014

Acionando a tecla rewind

Admita: você já se imaginou voltando no tempo e corrigindo todas as burradas que denigrem sua biografia.  É este e não o desejo à eternidade, que chatice, o sonho de todos nós, mas de preferência com aperfeiçoamentos, como o expresso por Vinicius de Moraes a  Chico Buarque de Holanda :  “Se eu reencarnasse queria voltar exatamente assim como sou,  só com o pau um pouquinho maior”, conta Chico no filme sobre o poetinha. 

O pedido parece ser exagerado para quem, como Vinicius, viveu com pelo menos meia dúzia de mulheres, a maioria delas bem caldáveis. Mas fico imaginando quantos homens não tem a mesma pretensão, almejando alguns centímetros a mais no seu instrumento, achando que assim estarão mais bem posicionados no mercado.

Não encaro o tema da mesma maneira. Acredito mais na máxima de que tamanho não é documento. Mas claro que ficaria bem satisfeito com uns 5 ou 10 centímetros a mais na altura, despossuído que sou verticalmente. Pelo menos poderia distribuir melhor a protuberância abdominal de ex-fumante que virou glutão.

Nem sei o porquê de  todas essas reflexões paralelas quando o tema proposto é a volta ao passado. Cá entre nós, seria legal acionar a tecla rewind da existência,  reconstruir pontes fendidas, refazer malquerenças, harmonizar os mal entendidos, refinar as escolhas, enfim, corrigir besteiras cometidas e, de quebra,  ganhar uma bolada na loteria com os números conhecidos por antecipação.

E ainda tem uns idiotas completos que insistem em ser coerentes, afirmando que fariam tudo igual de novo.  Como posso ser idiota, mas não completo, prefiro dizer que só tenho compromisso com erros inéditos.