terça-feira, 24 de junho de 2014

Meu Tipo Inesquecível

Se um dia tiver que escolher o Meu Tipo Inesquecível, como naquela seção  da revista Seleções, a escolha recairia sobre o doutor Olecantro. Trata-se de um luminar das letras jurídicas e graças a isso ocupa posição de destaque na hierarquia de uma grande metrópole, sendo  acatado nas suas decisões e pareceres. Mais do que isso, ele se investiu em operador das situações e como tal tem sido muito presente e operoso.

Sucede que a grande metrópole se viu evolvida em um evento de proporções mundiais e o doutor Olecantro foi quem deu sustentação jurídica-operacional para um conjunto de ações paralelas que transformaram o evento em um sucesso retumbante. Focado nas suas atribuições, mas excedendo em todas as iniciativas, nosso personagem virou adrenalina pura.

No espaço de onde passou a coordenar as ações não restou pedra sobre pedra tanto nas questões mais complexas como nas prosaicas. Bloqueios e desbloqueios de trânsito, lá estava doutor Olecranto. Formação de filas à direita ou à esquerda, tudo com doutor Olecranto. Segurança no evento e no entorno, fale primeiro com o doutor Olecranto. Porta-voz de temas sensíveis ou nem tanto, chamem o doutor Olecranto.  Era o primeiro a chegar, inspecionando tudo e o último a sair, depois de disparar inúmeros telefonemas e  passar inquieto por todos os espaços numa cata obsessiva de eventuais problemas.

Esse furor em forma de executivo acabou contagiando toda a equipe em volta, que atua no diapasão do seu guru. Doutor Olecranto não busca reconhecimento. Ele esta acima dessas questões pequenas, porque o doutor Olecrabnto é um perfeccionista, um homem que vê a arvore mas descortina também a floresta, um sujeito que sabe deus e o diabo moram nos detalhes. Assim, Meu Tipo Inesquecível não poderia conviver com um evento que tivesse resultados menos superiores.

Entretanto, ainda resta uma nódoa no comportamento do  doutor Olecranto. É crescente o número de queixosos de que, como esta sempre alerta, ele liga para as pessoas nos horários mais inoportunos e não são poucas as vezes que tem interrompido o momento do bem-bom.

Aos queixosos, entretanto, tenho dado uma recomendação: não atendam o telefone. De última interromper aquilo para conferir o celular.